Etiquetas

quinta-feira, 25 de abril de 2013

CINEMA LONDRES – O FIM DE UMA ÉPOCA


No dia 21 de Fevereiro deste ano, o cinema Londres fechou as suas portas. As razões apontadas devem-se à falta de pagamento das contas, como por exemplo a da electricidade. Mas a verdade é que o grupo a que o mesmo pertence, a Socorama está em processo de insolvência e o futuro desta sala de cinema, como de muitas outras, é negro.

O encerramento desta sala de cinema representa o fim de uma época para muitos cinéfilos alfacinhas. De todas as salas que existiam na década de 70, esta era a única, com excepção do Cinebolso, que continuava a ter uma carreira comercial. As poucas que ainda têm as portas abertas, como por exemplo o São Jorge e o Nimas, têm tido nos últimos anos uma programação especial, entre festivais e ciclos, que felizmente as vai mantendo vivas.

Inaugurado no dia 20 de Janeiro de 1972 com o filme MORRER DE AMAR de André Cayatte, o Londres, que era explorado pelo grupo Filmes Castello Lopes, foi apelidado na época da “mais luxuosa sala-estúdio de Lisboa”, fama essa que durou muitos anos. Com uma programação cuidada, vocacionada para o cinema de qualidade e de autor, o Londres depressa conquistou os cinéfilos de Lisboa, cuja presença garantia a exibição prolongada de muitos dos filmes que por lá passaram. Para terem uma ideia, aqui ficam os títulos dos filmes que estrearam no seu primeiro ano de existência: TRISTANA - AMOR PERVERSO de Luís Buñuel, VIVER A SUA VIDA de Jean-Luc Godard, MELODY de Waris Hussein, MARIA WALEWSKA de Clarence Brown com Greta Garbo (a primeira das poucas reposições que tiverem lugar neste cinema), O BAILE DOS BOMBEIROS de Milos Forman, O BOY FRIEND de Ken Russell, DUAS INGLESAS E O CONTINENTE de François Truffaut e CABARET de Bob Fosse (que atingiu os 100.000 espectadores aquando da sua longa carreira neste cinema).


Com o tipo de programação que manteve nos anos que se seguiram, não se pode dizer que fosse uma sala de cinema popular. Mas tinha um público fiel, acho que posso dizer intelectual, que sabia exactamente que tipo de filmes podia encontrar no Londres. Realizadores como Ingmar Bergman, Luís Buñuel, François Truffaut (fase final da sua carreira), Rainer Werner Fassbinder, Woody Allen (a partir da fase Mia Farrow) e Pedro Almodóvar, tinham lugar cativo nesse cinema. Entre muitos outros, por lá passaram filmes como HIROSHIMA, MEU AMOR de Alain Resnais, M.A.S.H de Robert Altman, O PORTEIRO DA NOITE de Liliana Cavani, O GÉNIO DO MAL de Richard Donner, O INTRUSO de Luchino Visconti, JÚLIA de Fred Zinnemann, NORMA RAE de Martin Ritt, A ROSA de Mark Rydell, A SOMBRA DO GUERREIRO de Akira Kurosawa, FITZCARRALDO de Werner Herzog, DEBAIXO DO VULCÃO de John Huston, PARIS TEXAS de Wim Wender e AMADEUS de Milos Forman. Dois famosos títulos de animação para adultos, FRITZ O GATO e TARZOON A VERGONHA DA SELVA, também tiveram a sua estreia no Londres.



Muito antes de ir ao Londres, já tinha ouvido falar das suas super-cadeiras, que deslizavam quando nós nos sentávamos, pregando sustos a muita boa gente, pois pensavam que estas se estavam a partir. Experimentei-as pela primeira vez no dia 26 de Abril de 1976, faz amanhã 37 anos. Tinha 11 anos e consegui convencer os meus pais a levarem-me a ver O FANTASMA DO PARAÍSO do Brian DePalma. Adorei as cadeiras, mas achei o filme um bocado histérico de mais para o meu gosto e odiei a música do mesmo. Só voltei ao Londres cerca de um ano depois, em 1977, para ver o divertido A ÚLTIMA LOUCURA de Mel Brooks, onde quase ia morrendo com falta de ar de tanto rir. A este seguiu-se a reposição de VAMO-NOS AMAR com a Marilyn Monroe, que também fui ver.

Nessa altura não frequentava muito o cinema e, na verdade, a sua programação não era muito atractiva para um puto da minha idade. Assim, só lá voltei em 1980 para ver um novo musical de Stanley Donnen chamado de FITAS LOUCAS. Mas em 1981, ano em que fiz 17 anos, consegui a proeza de ver todos os filmes que lá estrearam: ESQUECER VENEZA de Franco Brusati, O ÚLTIMO METRO de Truffaut, A CIDADE DAS MULHERES de Federico Fellini,, DAS 9 ÀS 5 de Colin Higgins, DA VIDA DAS MARIONETES de Bergman e LILI MARLEEN de Fassbinder. A partir dessa altura, ir ao Londres passou a fazer parte do meu roteiro cinematográfico e vi por lá muito e bom cinema, bem como filmes de menor qualidade.


No princípio dos anos 80, a programação da sala deixa de ser tão selectiva ou, se preferirem, cuidada e filmes mais comerciais começam a estrear por lá, como por exemplo CLASSE, A EXPERIÊNCIA DE FILADÉLFIA, CROCODILO DUNDEE e MALUCOS E LIBERTINOS. O Londres começa não só a perder a sua identidade, como também a exclusividade dos filmes; com o número de salas a crescer em Lisboa, os filmes começam a poder ser vistos em vários cinemas e o público começa a dividir-se. A fim de tentar fazer frente aos complexos de salas dos centro comerciais, o Londres fecha para obras (salvo erro no final dos anos 90) e reabre com duas salas. Mas a sua programação não voltou mais a ser a mesma e, tal como eu, o público foi-se afastando.


Os anos 70 e 80 eram outra coisa, e era possível os cinemas terem a sua própria “personalidade”. Hoje em dia isso já não existe e o público prefere ir a um cinema que tenha muitas salas por onde escolher e, de preferência, que haja muitas lojas em seu redor. São outras maneiras de ver o cinema, tão válidas como as antigas, mas tenho saudades dos velhos cinemas de Lisboa e é uma pena que o Londres tenha fechado as suas portas. É verdade que deixei de frequentar esse cinema, mas era reconfortante saber que ele ainda estava ali. Como sonhar ainda é permitido, espero que alguém de visão reabra o Londres e que o faça regressar aos seus tempos de glória.

por Jorge Tomé Santos / 25 de Abril de 2013


2 comentários:

  1. infelizmente o Londres já tinha a morte anunciada há mais de 2 anos. os funcionários andavam a ser pressionados para se despedirem ou reformarem e a direcção da Castello Lopes pouco interessada em manter a sala. com a insolvência da empresa infelizmente vejo pouca viabilidade de o Londres voltar à actividade, com imensa pena minha pois foi uma das salas em Lisboa que conheci melhor e o seu espaço uma lição na arquitectura de cinemas.

    ResponderEliminar
  2. Uma das MELHORES SALAS DE CINAMA, em Lisboa....
    O resto são salas de Bolso, iguais as salas de qualquer casa...
    Marcaram-me para sempre, todos os filmes que lá fui assistir, e assim se deixa ruir, mais uma peça MARCANTE....
    É o espelho de Portugal, com muita pena minha.

    ResponderEliminar